domingo, 18 de dezembro de 2016

AFRICANIDADE E A CULTURA

AFRICANIDADE E A CULTURA


Em virtude do desconhecimento de grande parte da população, e porque a função da escola é disseminar saberes, teve-se o cuidado de não deixar passar um momento propício para a discussão sobre "A consciência negra".
Em vez de apenas lembrar de tecer comentário sobre o dia 20 de novembro, fizemos com que os alunos pudessem pesquisar mais sobre esta etnia e a contribuição feita para a nossa história e como formamos uma só nação.
Infelizmente não formamos um único povo, tal qual se gostaria, mas formamos sociedades que convivem ora mais pacificamente ora mais tensamente. E foi pensando minimizar esses contrastes, os alunos puderam pesquisar sobre a cultura africana e atualizá-la por meio de exposições.
Como se sabe, o desconhecimento é causa de exclusão, quis-se com este trabalho fazer conhecer para fazer incluir, inclusive com o respaldo da Lei 10.693/03 que prevê o ensino da Cultura Afro-brasileira nas escolas.


Breve resumo da lei 10.639/03Ensinar História e Cultura Afro-brasileiras e africanas não é mais uma questão de vontade pessoal e de interesse particular. É uma questão curricular de caráter obrigatório que envolve as diferentes comunidades: escolar, familiar, e sociedade. O objetivo principal para inserção da Lei é o de divulgar e produzir conhecimentos, bem como atitudes, posturas e valores que eduquem cidadãos quanto à pluralidade étnico-racial, tornando-os capazes de interagir objetivos comuns que garantam respeito aos direitos legais e valorização de identidade cultural brasileira e africana, como outras que direta ou indiretamente contribuíram ( contribuem) para a formação da identidade cultural brasileira.A lei 10639/03 visa fazer um resgate histórico para que as pessoas negras afro-brasileiras conheçam um pouco mais o Brasil e melhor a sua própria história.
http://jaweto.blogspot.com.br/2013/04/a-historia-e-cultura-afro-brasileira-e.html


-x- 



MITOLOGIA AFRICANA
Anansi, o Mestre das Histórias
Á.Costa, AP.Medeiros, B.Vieira, E.Lucas, E.Rossi, L.Carvalho, T.Pires*

I - INTRODUÇÃO


O trabalho se trata de uma apresentação sobre parte da cultura africana com o mito “Anansi, o mestre das histórias”.
Ele integra a mitologia, mais especificamente do povo ashanti, que tem sua origem no país de Gana, localizada na África Central. Veremos também a serventia do mesmo para as pessoas da cultura a qual o mito pertence.
Finalizamos o trabalho com uma conclusão e com a bibliografia.

II - DESENVOLVIMENTO:

2.1 - DEFINIÇÃO DE MITO:
Mito são narrativas utilizadas por povos gregos antigos para explicar fatos da realidade e fenômenos da natureza, as origens do mundo e do homem, que antigamente não compreendiam.
2.2 - RESUMO DO MITO PESQUISADO
Nosso trabalho é sobre um mito vindo do oeste-africano intitulado “Anansi: o Mestre das Histórias”, nele relatamos a história de Anansi, um ser astuto, que queria conhecer as histórias sobre o mundo que só o deus Nyame tinha conhecimento. Por isso foi até Nyame para saber como poderia obter tal conhecimento e o deus do céu o concedeu tarefas difíceis(que Anansi lhe trouxesse a Phyton, o Leopardo, as Vespas e a Fada) pensando que assim o mesmo desistiria do desafio, porém o velho ser que era uma aranha sagaz, utilizou de suas teias e de sua astúcia para cumprir os desafios, recebendo por fim as histórias que tanto desejava como recompensa.

2.3 - INFORMAÇÕES SOBRE O MITO:
2.3.1 - LUGAR:
Gana é um país da África ocidental que pertence a um amplo grupo dividido em 75 tribos diferentes. A maior delas é a akã. Outras grandes tribos são mole-dagbani, ewe, ga-adangme e gurma. A capital e maior cidade do Gana é Acra. O idioma oficial é o inglês, mas cada tribo tem a própria língua.
Mais da metade do povo é cristã, muitos outros praticam as religiões tradicionais africanas ou o islamismo. A economia do país baseia-se na agricultura e na mineração.
A palavra Gana significa "guerreiro" e é derivado do antigo Império do Gana.
Gana foi a primeira colônia africana da Grã-Bretanha a conquistar a independência, tornando-se modelo para as outras e liderando o estabelecimento de indústrias e de um sistema educacional moderno.
2.3.2 - POVO:
A mitologia ashanti é conhecida por ter lendas populares e coloridas, e por sua mitologia também. O Deus do povo ashanti de Gana se chama Nyame, eles acreditam que os "deuses menores" ajudam os seres humanos aqui na Terra. Anansi é o herói do povo, mas não desempenha nenhum papel na cultura deles, apenas é o destaque no meio folclórico.
2.3.3 - SERVENTIA:
Os oeste africanos consideravam Anansi originalmente como o ser criador do mundo. Ele sempre agiu como intermediário entre os seres humanos e em suas relações com o deus do céu Nyame, e ele supostamente persuadiu Nyame para dar a chuva e a noite para as pessoas.




III - CONCLUSÃO

Com este trabalho, foi possível que o grupo concluísse que mito são histórias criadas para explicar a realidade da qual vivemos, em forma mitológica.
O mito de Anansi, mostra como a aranha usou de sua astúcia para vencer o desafio dado pelo deus do céu, tornando-se para o povo ashanti, que tem origem em Gana, uma forma de comunicação entre as pessoas e deus.

IV - BIBLIOGRAFIA
Significado de mito. Disponível em : https://www.significados.com.br/mito/
Informações sobre o país de Gana. Disponível em : Dhttps://pt.wikipedia.org/wiki/Gana
Informações sobre o país de Gana. Disponível em : http://escola.britannica.com.br/article/481370/Gana?view=print
Informações sobre Mitologia Ashanti. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Mitologia_ashanti
Informações sobre o mito “Anansi, o mestre das histórias”. Disponível em: http://portal-dos-mitos.blogspot.com.br/2013/01/anansi.html

_____
Alunos da 1ªA
-x-





CANDOMBLÉ
Afro-brasileiro

C.Roberta, D.Silva, G.Gonçalves, S.Pereira *
 
I - INTRODUÇÃO:

Neste trabalho falaremos sobre a religião “Candomblé”, de como foi trazido ao Brasil.
No desenvolvimento, traremos definições sobre, locais dos rituais, de como são feitas as cerimônias, e sobre os orixás do Candomblé.
Terminaremos o trabalho com a diferença entre Candomblé e Umbanda e algumas curiosidades do Candomblé.




II - DESENVOLVIMENTO:


2.1 DEFINIÇÃO DE RELIGIÃO

Religião: O conceito de religião tem origem no termo latim religĭo e refere-se ao conjunto de crenças ou dogmas relacionados com a divindade, pode ser definida como um conjunto de práticas sociais.




2.1.2 Definição de Candomblé:

O candomblé é uma religião africana trazida para o Brasil no período em que os negros desembarcaram para serem escravos. Nesse período, a Igreja Católica proibia o ritual africano e ainda tinha o apoio do governo, que julgava o ato como criminoso, por isso os escravos cultuavam seus Orixás, omitindo-os em santos católicos.





2.2 DEUSES E LOCAIS

2.2.1. deuses:
Os orixás, para o candomblé, são os deuses supremos. Possuem personalidade e habilidades distintas, bem como preferências ritualísticas. Estes também escolhem as pessoas que utilizam para incorporar no ato do nascimento, podendo compartilhá-lo com outro orixá, caso necessário. (O orixá é o guia de cada pessoa)




2.2.2.  locais dos rituais:

Os rituais do candomblé são realizados em templos chamados casas, roças ou terreiros que podem ser de linhagem matriarcal (quando somente as mulheres podem assumir a liderança), patriarcal (quando somente homens podem assumir a liderança) ou mista (quando homens e mulheres podem assumir a liderança do terreiro). A celebração do ritual é feita pelo pai de santo ou mãe de santo, que inicia o despacho do Exu. Em ritmo de dança, o tambor é tocado e os filhos de santo começam a invocar seus orixás para que os incorporem. O ritual tem no mínimo duas horas de duração.




2.2.3. DIFERENÇA ENTRE CANDOMBLÉ E UMBANDA

O candomblé não pode ser igualado à umbanda. No candomblé, não há incorporação de espíritos, já que os orixás que são incorporados são divindades da natureza; enquanto na umbanda, as incorporações são feitas através de espíritos encarnados ou desencarnados em médiuns de incorporação. Existem pessoas que praticam o candomblé e a umbanda, mas o fazem em dias, horários e locais diferentes



2.2.4. CURIOSIDADE... :



Nesta religião afro-brasileira são feitas homenagens aos antepassados com festas, comidas e os objetos que os representam. As divindades homenageadas nos rituais dos terreiros são antepassados queridos que foram importantes para a existência dos adeptos do candomblé no presente. Nesta religião acredita-se nas energias e durantes as homenagens são feitos pedidos de revitalização das energias destes antepassados nos praticantes do candomblé. Assim acontece o transe da incorporação da energia das divindades celebradas nas pessoas que são iniciadas e fazem parte de famílias do terreiro, Simbolicamente a representação da energia em movimento é feita pelas danças circulares. Para tudo se dança nas culturas de base africana, tanto na alegria, como na tristeza, uma vez que a dança tem o feitio de teatro que pode contar histórias e narrar mitos



III - CONCLUSÃO

Durante as pesquisas, o nosso grupo entendeu que:
  
O candomblé é uma religião bastante comum em nosso país, e a mesma não tem relação com a Umbanda, sendo uma diferente da outra.
A religião oficial no Brasil era o catolicismo, trazido pelos brancos, de origem portuguesa. O candomblé - culto africano que se tornou afro-brasileiro - era encarado como bruxaria.

Essa religião africana que foi trazida para o Brasil, hoje é bem praticada não só pelos africanos, mas também pelos brasileiros.

Nessa religião são feitos rituais realizados por pai ou mãe de santo para a adoração dos deuses supremos (Orixás).

IV - BIBLIOGRAFIA

Curiosidades sobre o Candomblé. Disponível em:

www.google.com (imagens)

_____
Alunos da 1ªC
-x-



IANSÃ - DEUSA AFRICANA
Controla o elemento ar
AL.Galani, B.Almeida, CA.Zorzin, M.Augusto, MJ.Santos, P.Silva, S.Telavanich, V.Perina*

Introdução
O nosso trabalho irá falar sobre Iansã, a deusa Africana do elemento ar.
Deusa da espada de fogo, Dona das paixões, Iansã é a Rainha dos raios, dos ciclones, furacões, tufões, vendavais. Orixá do fogo, guerreira e poderosa. Mãe dos eguns, guia dos espíritos desencarnados, Senhora dos cemitérios.
Não é muito difícil depararmo-nos com a força da Natureza denominada Iansã (ou Oyá). Convivemos com ela, diariamente.
Iansã é o vento, a brisa que alivia o calor. Iansã é também o calor, a quentura, o abafamento. É o tremular dos panos, das árvores, dos cabelos. É a lava vulcânica destruidora. Ela é o fogo, o incêndio, a devastação pelas chamas.
Oyá é o raio, a beleza deste fenômeno natural. É o seu poder. É a eletricidade. Iansã está presente no ato simples de acendermos uma lâmpada ou uma vela. Ela é o choque elétrico, a energia que gera o funcionamento de rádios, televisões, máquinas e outros aparelhos. Iansã é a energia viva, pulsante, vibrante.
Sentimos Iansã nos ventos fortes, nos deslocamentos dos objetos sem vida. Orixá da provocação e do ciúme.


DESENVOLVIMENTO
Conjunto dos mitos de determinado povo;

Estudo dos mitos, suas origens, evolução, significado etc.

Oyá ou Iansã dirige o vento, as tempestades e a sensualidade feminina. 
É a senhora do raio e soberana dos espíritos dos mortos,  que encaminha para o outro mundo.

Um rei tinha uma filha chamada Ala. Ele queria casá-la com um príncipe poderoso. No entanto, a princesa já tinha um amante e do amante ela esperava um filho. Sabedor do fato, o rei resolveu matá-la. Numa barca, levou a princesa até o meio do rio, do rio onde vivia Oxum. Jogou a princesa no meio do rio, a casa de Oxum. O rei tinha um papagaio que o acompanhava sempre. O papagaio tudo presenciou.
Tempos depois, alguns pescadores viram uma caixa boiando no rio. Foram ver de perto e dentro tinha uma criança Assustaram-se com o que viram. Temerosos, abandonaram o seu achado  na margem do rio. Pelo mesmo lugar passou outra embarcação e seus ocupantes foram atraídos pelo choro da criança. Os viajantes acabaram recolhendo a criança e a levaram a presença do rei.
O rei ficou feliz com o presente e resolveu apresentar a criança  ao povo como sendo filha sua. Ele sentia falta da filha que afogara, sentia-se sozinho.
deu uma festa para apresentar a nova filha que adotara. Quando todos estavam reunidos o papagaio contou-lhes acerca  de todo o sucedido. Disse que a menina havia nascido na casa de Oxum. Portanto, deveriam devolvê-la ao rio. O rei então se deu conta de que a menina era sua neta e devolveu-a ao rio onde nascera.
A criança cresceu protegida por Oxum.ESTA MENINA ERA IANSÃ

Dia: Quarta-feira
Cores: Marrom, Vermelho e Rosa
Símbolos: Espada e Eruexin
Elementos: Ar em movimento,qualquer tipo de vento, Fogo
Domínios: Tempestades, Ventanias, Raios, Morte
Saudação: Epahei!


CONCLUSÃO

Iansã É relacionada ao elemento ar, sendo a divindades que controla os ventos. Tem temperamento agressivo. O nome Iansã é um título que Oyá recebeu de Xangô. Esse título faz referência ao entardecer, Iansã pode ser traduzido como a mãe do céu rosado ou a mãe do entardecer

BIBLIOGRAFIA
https://ocandomble.com/os-orixas/iansa/

_____
Alunos da 1ªC
-x-



                                ÁFRICA MITOLÓGICA
           “A criação do dia e da noite, cultura Kono
C.Brito, H.Lima, M.Nunes, P.Souza*


I- INTRODUÇÃO
É a mitologia da criação do dia e da noite, que é conhecida como a cultura de Kono.
Contém onde foi criado, o povo que acredita nesse mito.
Finalmente termina, foi decretado que o Sol teria de sair de dia e a Lua devia brilhar de noite

II- DESENVOLVIMENTO

Mito/mitologia são narrativas utilizadas pelos povos gregos antigos para explicar fatos da realidade e fenômenos da natureza, as origens do mundo e do homem, que não eram compreendidos por eles. Os mitos se utilizam de muita simbologia, personagens sobrenaturais, deuses e heróis.
No mito da criação do dia e da noite, muitas lendas foram criadas. Uma delas foi a do povo Kono da Serra Leoa, conta como o criador forneceu a luz do Sol e a sombra obtida da Lua.

Foi criado na Serra da Leoa, África

III- CONCLUSÃO
Concluímos que esse mito criado na África, e muitos acreditam que através dessa mitologia foi criado Dia e a noite.

IV-BIBLIOGRAFIA
http://www.mitologia.templodeapolo.net/


_____
Alunos da 1ªB
-x-



MITOS AFRICANOS DE CRIAÇÃO DO MUNDO
A Ponte Entre Orum E Aiyê
G.Sampaio, G.Silva, G.Souza, L.Polo, P.Murilo*
INTRODUÇÃO
Falaremos sobre o mito de criação do mundo Orum e Aiyê : Orum é onde vivia Olorum, o deus supremo, que deu  início na criação do mundo com o nome de Aiyê, ele criou Oxalá que tinha o poder de dar a vida, durante sua caminhada Oxalá não fez o suficiente e enfrentou dificuldades durante o caminho, e quem acabou criando o mundo foi Odudua.

O QUE É MITO E MITOLOGOIA
Fábula que relata a história dos deuses, semideuses e heróis da Antiguidade, Tradição que, sob forma alegórica, deixa contar um fato natural, histórico ou filosófico.

A Ponte entre Orum e Aiyê
Havia o Orum, o espaço do universo e lá vivia o Deus Supremo Olorum.
Olorum criou uma imensa massa de água de onde nasceu o primeiro Orixá, o unico que era capaz de dar a vida, o Olorum mandou o Orixá criar Aiyê (O mundo), Orixá não consseguiu comprir as exigencias de Olorum e assim substituido por Oduadua. Para consolar Orixá, Olorum o deu a missão de criar  os seres vivos.

Locais, povo e serventia do Mito

O mito vem de Nigéria, com o povo Iorubas, onde há varios mitos, inclusive o Orum e Aiyê que é conhecido como Olorun. O mito foi feito para explicar a criação do mundo através de seu ser superior.

CONCLUSÃO
Olorum vivia em Orum(o universo) e criou Aiyê (o mundo)com uma grande massa da água, lá nasceu o primeiro Orixá que deu início a vida do planeta, com seres vivos de todas as maneiras.

 BIBLIOGRAFIA
http://www.infoescola.com/sociologia/povo-ioruba/

_____
Alunos da 1ªB
-x-

 MITOLOGIA DA ÁFRICA
Oxalá cria os homens
A.Araújo, B.Galdino, K.Knoblauch, L.Santos, M.Oliveira, P.Paschoalini*

INTRODUÇÃO
O que é ?
Mito que pertence ao continente africano que descreve como ocorreu a criação dos homens através de Oxalá e seu ajudante Exu, que buscavam a perfeição no homem.
O que contém ?
Oxalá era um velho que buscava a criação dos homens, Exu era um jovem que sempre observou o trabalho de Oxalá e passou a ajudá-lo. Exu ficou na encruzilhada não deixando passar quem não trouxesse uma oferenda  digna à Oxalá.
Exu começou a receber recompensas de todos os homens que passavam na encruzilhada, com isso Exu começou a morar na encruzilhada. Exu morou com Oxalá durante dezesseis, sendo assim se tornou um ajudante de Oxalá.
Como  termina ?
Oxalá e Exu trabalham para que os homens fossem criados perfeitamente sem nenhum defeito, somente os que passavam pela encruzilhada trazendo suas oferendas. Exu ficou rico e poderoso e acabou se tornando o Deus da encruzilhada.

ll. DESENVOLVIMENTO
2.1 O que é mito/mitologia ?
Mito: são histórias tradicionais, que envolvem deuses herois ou criaturas do mundo animal, que explicam o mundo de outra forma, ou seja, do jeito que é.
Mitologia: é o estudo de mitos, lendas e a interpretação dos mesmos em alguma cultura.
Mito são narrativas utilizadas pelos povos gregos antigos para explicar fatos da realidade e fenômenos da natureza, as origens do mundo e do homem, que não eram compreendidos por eles. Os mitos se utilizam de muita simbologia, personagens sobrenaturais, deuses e heróis. Todos estes componentes são misturados a fatos reais, características humanas e pessoas que realmente existiram. Um dos objetivos do mito era transmitir conhecimento e explicar fatos que a ciência ainda não havia explicado, através de rituais em cerimônias, danças, sacrifícios e orações. Um mito também pode ter a função de manifestar alguma coisa de forma forte ou de explicar os temas desconhecidos e tornar o mundo conhecido ao Homem.


III. LUGARES ONDE ACREDITA NO MITO AFRICANO
Os mitos africanos são dividos por várias regiões e cada região possui um novo mito para contar. Eles acreditam que não existe somente um Deus e sim vários, mas somente um foi o criador de tudo, conhecido como Olorun. Os povos cultivam a ideia de oferendas e gostam de sempre prestigiar no nome de seus deuses como forma de gratidão a vida e a tudo que possuem. Muitos costumam dizer que depois da morte vão para encruzilhada onde passam para encontrar Oxalá. Outra forma de agradecimento é para Iemanjá que é mulher de Oxalá que também recebe oferendas. Oxalá foi o criador dos homens e sua mulher Iemanjá criadora da fertilidade, dos mares.

      
lV. CONCLUSÃO:
Podemos então concluir que a mitologia africana depende de muitos deuses e poucos deles gostam de receber oferendas. Exu ajudante de Oxalá é quem recebe as oferendas de quem passa pelas encruzilhadas, ou seja, Exu é o Deus protetor de encruzilhadas, casas. Oxalá foi o criador do homem, Lemanjá Deusa dos mares, rios e oceanos, Olorun criador de tudo,  Oxum Deusa do amor e do ouro, entre outros vários deuses. Acreditam que depois da morte a vida ainda continua e é por esses motivos que ainda usam a ideia de oferendas.


V. BIBLIOGRAFIA :
http://www.geledes.org.br/


_____
Alunos da 1ªB