terça-feira, 7 de setembro de 2010

TEORIA DA ALMA (Platao)

              A noção que Platão tem de justiça é reforçada pela sua teoria da alma. Para ele, assim como na cidade há três classes distintas, também a alma humana possui três partes, cada uma encarregada de uma função específica:
1.Parte concupiscente ou apetitiva: concupiscência é sinônimo de "cobiça de bens materiais", desejo de "prazeres sensuais"[1]. Situada no baixo-ventre (entre o diafragma e o umbigo), é a parte da alma responsável pela busca da bebida, da comida, do sexo, dos prazeres, enfim, de tudo quanto é necessário à conservação do corpo e à reprodução da espécie. É irracional e mortal.
2.Parte colérica ou irascível: irascível é quem se irrita ou se enraivece com facilidade.
Localizada no peito, acima do diafragma, sua função é defender o corpo contra tudo o que possa ameaçar sua segurança. Também é irracional e mortal.
3.Parte racional: é a função superior da alma, o traço divino que há em nós. Situada na cabeça, é responsável pelo conhecimento. Apenas essa parte é imortal.
O homem virtuoso é aquele em que cada parte da alma realiza na medida justa (sem falta nem excesso) a função que lhe cabe, sob a regência da parte racional. Cabe, portanto, à parte racional dominar as outras duas. O domínio da razão sobre a concupiscência resulta na virtude da temperança (moderação); o domínio da razão sobre a cólera produz a virtude da coragem ou da prudência. A virtude própria da parte racional é o conhecimento. Por outro lado, o homem vicioso é aquele em que as partes da alma não conseguem realizar suas funções próprias, ou as realizam desmesuradamente, o que ocorre quando a parte racional perde o comando sobre as outras duas. Nesse caso, instaura-se a desordem, o conflito, a violência contra si e os demais.
Ora, o que vale para o homem individualmente vale também, de certo modo, para a cidade e as três classes sociais nela existentes. Na classe econômica, predomina a parte concupiscente da alma. Daí ela estar sempre voltada para a obtenção de riquezas e prazeres. Assim, se essa classe assumir o governo, a cidade será mergulhada em sérios problemas econômicos, aprodundando as desigualdades. Na classe dos guerreiros, predomina a parte colérica, razão pela qual apreciam os combates e a fama. Se governarem, a cidade viverá em constante estado de guerra, tanto interna quanto externamente, gerando insegurança e instabilidade. Finalmente, na classe dos magistrados, predomina a parte racional da alma, o que lhe favorece conhecer a ciência da política e, desse modo, governar as outras duas classes e em conformidade com a justiça.
Em suma, assim como o homem justo é aquele em que a razão governa a cólera e a concupiscência, assim também na cidade, para haver justiça, é preciso que os magistrados governem as demais classes, dedicando-se estas às funções que lhes são próprias.
Caberá à educação preparar os indivíduos de cada classe para o exercício da função e da virtude a ela correspondentes. Assim, a classe econômica deve ser educada para a frugalidade e a temperança; a classe militar, para a coragem, e a classe dos magistrados, para a prudência. O resultado dessa combinação será uma quarta e principal virtude: a justiça. Assim, a cidade justa é aquela em que cada classe cumpre harmoniosamente o papel que lhe cabe: o magistrado governa, o soldado defende e a classe econômica provê a subsistência dos cidadãos, tudo na mais perfeita harmonia. Desse modo, cada um exercendo a função correspondente às inclinações de sua alma, às características de sua natureza, todos concorrerão para a realização da justiça.
Eis, portanto, como Platão legitima e justifica a desigualdade entre as classes, apresentando-a como expressão da justiça e instrumento para a realização do bem comum.



[1] Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa (edição eletrônica). Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2007.



______________________
FONTE (SÃO PAULO, Caderno do professor: filosofia. EM, 3ªs., v.2, 2009, p.27).

20 comentários:

  1. Respostas
    1. então faz melhor!!!!!!!!

      Excluir
    2. É Facil Criticar né, difícil é fazer igual ou melhor.
      Está Ótimo e me ajudou bastante Obrigado!

      Excluir
    3. tenho isso idêntico na minha apostila de filosofia O.o

      Excluir
  2. Muito Bom!!!
    Parabéns pelo seu trabalho.
    Abraços,
    Marise

    ResponderExcluir
  3. Tirou argumento sem fundamento. não sei de onde.

    ResponderExcluir
  4. Com o ser humano não adianta discutir, quando êle está determinado a ofender ao Criador. Ele não obedece nem a Deus. A alma é o proprio homem vivo. Genesis 2:7. Na arca de Noé foram salvas oito almas 1Pedro 3:20. É isso aí.

    ResponderExcluir
  5. Alma: equivalente a pessoa humana viva. Genesis 2:7. Exemplo: na arca de noé foram salvas oito almas 1Pedro 3:20. A alma imortal é hipocrisia criada pelo homem.

    ResponderExcluir
  6. filosofia terrena, que não consegue atingir a hierarqua e os objetivos de Deus.
    Deus tolera também os vasos da desonra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. você nem sabe de onde veio, aonde está e nem pra onde vai. Vai estudar primeiro antes de querer entender o que é Deus.

      Excluir
  7. Não entendi! Onde eu acho o trailer do filme?

    ResponderExcluir
  8. Platão acreditava que as pessoas poderiam subir de classe?

    ResponderExcluir
  9. Eu preciso de ajuda , Tenho uma prova de filosofia e professo deo uma pergunta que vai cai , Compare as 3 partes do corpo com o conceito de alma em Platão e explique porque quem gorvena deve ser o filosofo , alguem me ajuda preciso urgente tenho que decora ate amanha 07:00 :(

    ResponderExcluir
  10. Essa Teoria da alma pode ser encontrada em que obra/diálogo platonico?

    ResponderExcluir